O que é o Google EAT?

Os algoritmos do Google costumam ser um mistério, e quem trabalha (e se preocupa) com SEO e marketing digital sabe disso.
Diversos fatores são analisados a partir deles, afetando diretamente no ranquamento das páginas dos mais diversos sites.
Em 2018, uma importante atualização do motor de buscas mais famoso do mundo virou debate pelos profissionais do marketing digital: o Google EAT.

Muitas dúvidas sobre a sua aplicação na prática, sua funcionalidade, o que significa sua sigla e quais impactos ele pode causar surgiram.

Mas hoje, estamos aqui para te ajudar a desvendar esses mistérios e compreender melhor do que se trata o Google EAT.

No artigo de hoje, descubra tudo que é necessário sobre o E-A-T do Google e como utilizá-lo para melhorar as suas ações de otimização.

O que é o Google EAT?

Como já vimos, o Google EAT é um algoritmo. Na verdade, é um update do Google, que virou objeto de estudo, discussões e testes de diversos profissionais que tentam desvendar o que mudou.

Os estudos, discussões e testes são motivados pelo desejo das empresas de continuarem gerando tráfego em seus sites e blogs, com o intuito de vender.

Compreender o Google EAT é fundamental, uma vez que o mesmo foi divulgado como um importante sinalizador para o ranking de pesquisas.

Mas vamos à parte prática!

Cada letra da sigla representa um ponto importante:

  • E: Expertise (especialização)
  • A: Authoritativeness (autoridade)
  • T: Trustworthiness (confiança).

Este conjunto de fatores forma a base das diretrizes de qualidade recomendadas pelo Google, chamada QRG.

Já que muita gente anuncia no Google, quando a empresa divulga alguma mudança ou informação, naturalmente muitas pessoas querem entender do que se trata.

Mas, apesar de não dizer de forma explícita como seguir o Google EAT para obter um bom posicionamento na página de resultados do Google, existem dicas importantes para quem quer se aventurar no SEO.

Então, vamos analisar letra a letra a construção da sigla EAT.

Portanto, a seguir, vamos conhecer um pouco mais sobre cada um dos elementos que compõem o Google E-A-T.

Expertise (Especialização)

Independente do ramo em que se atua, a expertise é um item fundamental. Afinal, as sugestões de um especialista têm muito mais relevância do que a de um iniciante, não? Pois bem, esse aspecto é analisado pelos algoritmos do Google.

Mas como se tornar expert em algum assunto?

A resposta é fácil: através da experiência.

Essa é uma das explicações plausíveis para que domínios antigos tenham mais facilidade em ranquear no Google.

Mas como é feita a avaliação da expertise de uma página pelo Google EAT?

Mais do que as respostas para o que os usuários querem saber, o Google espera que os sites e blogs disponibilizem respostas escritas por especialistas.

Mas se engana quem pensa que a avaliação da expertise dos autores é feita através de uma pesquisa em relação a ele mesmo.
Na verdade, o método usado para avaliar este quesito são as métricas.

Ou seja, na prática, existe uma série de dados que dizem ao bot que o conteúdo de uma página específica foi redigida por um especialista de fato.

Este fator entra como uma forma de combate às páginas que se utilizavam do SEO para criar conteúdos e ranquear bem, mas acabam criando conteúdos de baixa qualidade.

Dessa forma, se um domínio possui diversas páginas específicas classificadas como donas de conteúdo de qualidade, relevantes, o fator expertise aumenta.

Authoritativeness (Autoridade)

As páginas de autoridade são aquelas que possuem alta relevância nos mecanismos de busca.

Diversos fatores contribuem para o estabelecimento deste critério, levando em consideração a experiência dos usuários nas páginas visitadas.

Por exemplo, se a maioria dos usuários acessa um link presente nos resultados e acaba achando a resposta que procura, esta página ganha autoridade.

Para definir o ganho de autoridade algumas métricas são fundamentais. Entre elas está o Tempo de Permanência na Página. E, além disso, os backlinks também são um elemento importante. Eles são links de entrada presentes em páginas externas. Ou seja, são referências que fazem o usuário sair de um site e ir para outro.

É importante ressaltar que cada página na internet possui sua própria Autoridade de Página. Porém, quando uma estabelece um link para outra, essa autoridade é repassada.

Por isso é muito mais valioso possuir um só link em uma página relevante do que dezenas de links em páginas de baixa qualidade.

Trustworthiness (Confiabilidade)

E, fechando o ciclo, para enxergar algo como sendo relevante é preciso que ele seja também confiável. E para o Google não é diferente.

Sobre Confiabilidade podemos citar elementos como a segurança do site. Mas outras coisas também podem afetar neste critério.

As páginas que possuem links quebrados ou levam para páginas não-relacionadas, por exemplo, terão o ranqueamento prejudicado. Bem como as páginas com malwares e baixa velocidade de carregamento.

Outros fatores importantes são:

  • Baixa qualidade de conteúdo;
  • Erros gramaticais;
  • Falta de escaneabilidade;
  • Navegabilidade comprometida;
  • Ausência de design responsivo;
  • Ausência de proteção de dados.

Use o Google EAT ao seu favor

Por mais que os algoritmos e atualizações do Google sejam complexas, o seu objetivo é nobre: oferecer aos usuários as melhores respostas, os melhores resultados.

Portanto, se você encarar a adequação ao que o Google EAT solicita como uma oportunidade de se especializar, gerar confiança com os seus visitantes e se tornar relevância, os resultados podem ser muito satisfatórios.

Continue por dentro das novidades do mundo do marketing digital acessando o blog da Platz!

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *